"; PlayWin.document.write(winContent); PlayWin.document.close(); // "Finalizes" new window // UniqueID = UniqueID + 1 // newWinOffset = newWinOffset + 20 // subsequent pop-ups will be this many pixels lower }

Sexta-feira, Fevereiro 20, 2009

Joseph Stiglitz - Ligações perigosas

A macro-economia vai atingindo a maturidade. A validade universal de alguns conceitos é contestada por novos modelos. Os acontecimentos recentes levaram um grupo de investigadores a empreender um estudo que completa os conhecimentos adquiridos até à data nesta área. (AF)


Procurámos caracterizar o comportamento de uma rede de créditos financeiros ao longo do tempo por meio de um sistema de processos estocásticos interdependentes, cada um dos quais satisfazendo as condições da sua própria robustez financeira. A ligação entre os processos advem de a robustez de cada agente financeiro estar dependente da robustez dos seus parceiros, tornando os nós da rede acoplados e, por arraste, a própria rede acoplada. Os elementos de acoplamento são a partilha do risco (associado a cada operação de crédito), a propagação dos incumprimentos das dívidas e das bancarrotas em cascata. Neste cenário, considerámos o impacto da quebra de um nó particular em diversas redes, com o grau de conectividade (interdependências) cada vez mais forte. Assumidas determinadas condições à partida, à redução do risco individual - tornando-o partilhado - correspondia um incremento do risco sistémico - com o alastramento dos incumprimentos. Quanto maior o número de nós adjacentes a que cada agente se interligava, menor o risco de colapso individual, mas maior o risco sistémico. Por outras palavras, no nosso estudo, a relação entre grau de interligação e risco sistémico não decresce indefinidamente, contrariamente ao que está previsto na literatura. A intervenção isolada do factor risco seria o de diluir até ao desaparecimento completo o risco para o sistema global, à medida que o número de interligações da rede aumentasse. Quando associada aos outros dois factores, ao que se acrescenta ainda a auto-alimentação - isto é, o facto de a rede acabar por repercurtir num nó individual financeiramente frágil os efeitos da sua própria fragilidade - o choque inicial sai muito reforçado e pode conduzir à crise sistémica completa, caso excedam o contrapeso do risco partilhado.


Resumo de Liasons Dangereuses: Increasing Connectivity, Risk
Sharing, and Systemic Risk

Stefano Battiston, Domenico Delli Gatti, Mauro Gallegati, Bruce Greenwald e Joseph E. Stiglitz
17 de Outubro de 2008

Etiquetas: , , , ,

Quinta-feira, Setembro 20, 2007

Croácia - Gerador de números aleatórios

DadosA melhor notícia que nos chega de Zagreb é a de que esta fonte de ruído de alta qualidade pode ser usada por todos para alimentarem os seus simuladores, através de programas-cliente que se instalam nos computadores de cada um.(AF)



Usamos um 'Quantum Random Bit Generator' (QRBG121), que é um gerador não-determinístico rápido de algarismos binários aleatórios, cuja aleatoriedade repousa intrinsecamente no processo quântico da foto-emissão dos semicondutores e posterior detecção do efeito fotoeléctrico. Neste processo, os fotões são detectados ao acaso, um por um, independentemente dos restantes. A informação temporal associada aos fotões detectados é depois usada para gerar os algarismos binários aleatórios. A característica singular deste método é a de que usa um só detector para gerar tanto 0's como 1's, do que resulta um desequilíbrio muito reduzido entre eles e uma elevada imunidade às flutuações dos componentes, assim como ao seu envelhecimento. Além disso, a detecção dos fotões é feita por foto-multiplicação (PMT). Comparado com os detectores de fotões transistorizados, o PMT tem uma relação sinal-ruído drasticamente superior e a probabilidade de surgirem impulsos induzidos, que constituiriam uma fonte indesejável de correlações, é muito mais baixa.

Ler mais em Ruder Boskovic Institute

Etiquetas: , ,

Segunda-feira, Junho 18, 2007

Universidade de Purdue - Simulação do colapso do WTC

Uma equipa de investigação da Universidade de Purdue criou uma simulação animada do ataque que fez ruir as torres do World Trade Center a 11 de Setembro de 2001 de modo que os engenheiros de estruturas possam estudar o colapso e evitar futuros desastres.



Fonte: Purdue creates scientifically based animation of 9/11 attack
Publicado por Purdue University News a 12 de Junho de 2007

Etiquetas: , ,


hits: