"; PlayWin.document.write(winContent); PlayWin.document.close(); // "Finalizes" new window // UniqueID = UniqueID + 1 // newWinOffset = newWinOffset + 20 // subsequent pop-ups will be this many pixels lower }

Quinta-feira, Março 26, 2009

A Democracia, JÁ !

Chegou a hora de reclamarmos para hoje, a democracia que nos prometeram ontem.

Em nome da restauração da vida democrática, os políticos que nos governam tomaram o poder e enchem todos os dias os jornais com novos escândalos, a partir de opções que só vêm a ser conhecidas pelas suas consequências, e nunca pelas suas causas.

Estamos fartos de ser chamados como contribuintes, a pagar as consequências dos erros alheios, com a eterna desculpa de que como foram eleitos, adquiriram o direito de empenhar, não apenas a geração que os elegeu, mas até as gerações que ainda nem sequer nasceram.

Este é o momento de perceber que os problemas do país não se podem escamotear com as eternas rivalidades entre partidos, enquanto as instituições se encontram totalmente manietadas pela impunidade dos crimes.

No próximo Sábado, vai nascer uma associação que é uma congregação de vontades de todos aqueles que não se conformam no papel de espectador impotente, a quem apenas é reconhecido o direito de manifestar a sua opinião pessoal, em casos que afectam mais a sociedade no seu conjunto do que cada um em particular.

Se não te conformas com a maneira como são desbaratados os dinheiros dos nossos impostos, nem como o exercício do poder político se transformou duma cultura de valores para uma cultura de acusações e contra-acusações à margem do poder judicial, então junta-te a este espaço de intervenção cívica, isento de ambições de poder, mas que se norteia pela recuperação do direito a intervir na vida pública.

Encontro para a fundação do Movimento para a Democracia Directa, Alcobaça, 28 de março de 2009, 15 horas.
http://doportugalprofundo.blogspot.com/

Etiquetas: , ,

Domingo, Setembro 07, 2008

Minuta do erro grosseiro

Senhor Presidente da República

José Ferrão, casado, contribuinte eleitor residente em Lisboa,

sentido-se gravemente prejudicado pelo estado ao permitir aumentar o preço dos combustíveis, independentemente do custo do crude se encontrar em alta histórica ou em queda livre,

e sentindo-se gravemente ofendido na sua dignidade e inteligência, quando o mesmo estado ostenta um ar catedrático ao invocar a justificação do aumento do crude, e um ar ignorante da realidade, ao calar-se com a baixa do crude,

tendo em conta que o estado se encontra sensível à indemnização dos cidadãos que se sentem prejudicados e ofendidos pelos erros grosseiros que são cometidos contra o seu bom nome, os seus interesses, a vida e a propriedade,

e finalmente, seguindo a iniciativa desencadeada pelo deputado Paulo Pedroso,
vem respeitosamente reclamar ao estado uma indemnização de cem mil euros, resultante dos prejuízos sofridos por conta de erro grosseiro cometido pelo estado.

Assine a petição !

Etiquetas: , ,

Terça-feira, Outubro 09, 2007

The New York Times - Blindagem à informação

Jornalista
É notável o sincronismo com que o assalto ao direito à informação é levado a cabo na arena internacional. (AF)


Os esforços para montar uma blindagem legal aos jornalistas venceram uma etapa crítica no Senado. Por 15 contra 2 votos, a Comissão Jurídica aprovou uma disposição apresentada pelos senadores Arlen Specter, republicano da Pensylvania, e Charles Shumer, democrata de Nova York, oferecendo aos repórteres uma protecção limitada contra a obrigação de revelar fontes confidenciais nos tribunais federais.

A medida, a Free Flow of Information Act, garante aos repórteres e às suas fontes confidenciais um protecção menor face ao desígnio abrangente da segurança nacional que aquela que havia sido aprovada pela mesma comissão em Agosto - mais fraca que a que gostaríamos.

Artigo completo em inglês:
The Public’s Right to Know
editorial do The New York Times de 9 de Setembro de 2007

Etiquetas: , , ,

Segunda-feira, Setembro 24, 2007

Marc Pitzke - Mercenários debaixo de fogo

Mercenários

Os mercenários tornaram-se indispensáveis no Iraque. Mas, depois de os empregados da Blackwater term morto 11 civis no domingo, o governo de Bagdad quer expulsá-los. O problema é que as companhias de segurança que actuam no Iraque encontram-se acima da lei - e os Estados Unidos da América querem mantê-los nesta condição.

Fonte: Marc Pitzke (mpitzke@mac.com),
'Whores of War' Under Fire
publicado por Spiegel Online International
em 19 de Setembro de 2007

Etiquetas: , , , , ,


hits: