Archive for the ‘humor’ Category

Você tem duas vacas

Saturday, April 30th, 2011

CAPITALISMO IDEAL

Você tem duas vacas.
Vende uma e compra um boi.
Eles multiplicam-se, e a economia cresce.
Você vende a manada e aposenta-se. Fica rico!

CAPITALISMO AMERICANO

Você tem duas vacas.
Vende uma e força a outra a produzir o leite de quatro vacas.
Fica surpreso quando ela morre.

CAPITALISMO JAPONÊS

Você tem duas vacas.
Redesenha-as para que tenham um décimo do tamanho de uma vaca normal e produzam 20 vezes mais leite.
Depois cria desenhinhos de vacas chamados Vaquimon e vende-os para o mundo inteiro.

CAPITALISMO BRITÂNICO

Você tem duas vacas.
As duas são loucas.

CAPITALISMO HOLANDÊS

Você tem duas vacas.
Elas vivem juntas, em união de facto, não gostam de bois e tudo bem.

CAPITALISMO ALEMÃO

Você tem duas vacas.
Elas produzem leite regularmente, segundo padrões de quantidade e horário
previamente estabelecido, de forma precisa e lucrativa.
Mas o que você queria mesmo era criar porcos.

CAPITALISMO RUSSO

Você tem duas vacas.
Conta-as e vê que tem cinco.
Conta de novo e vê que tem 42.
Conta de novo e vê que tem 12 vacas.
Você pára de contar e abre outra garrafa de vodca.

CAPITALISMO SUÍÇO

Você tem 500 vacas, mas nenhuma é sua.
Você cobra para guardar as vacas dos outros.

CAPITALISMO ESPANHOL

Você tem muito orgulho de ter duas vacas.

CAPITALISMO BRASILEIRO

Você tem duas vacas.
E reclama porque o rebanho não cresce…

CAPITALISMO HINDU

Você tem duas vacas.
Ai de quem tocar nelas.

CAPITALISMO PORTUGUÊS

Você tem duas vacas.
Foram compradas através do Fundo Social Europeu.
O governo cria O IVVA – Imposto de Valor Vacuum Acrescentado.
Você vende uma vaca para pagar o imposto.
Um fiscal vem e multa-o, porque embora você tenha pago correctamente o IVVA, o valor era pelo número de vacas presumidas e não pelo de vacas reais.
O Ministério das Finanças, por meio de dados também presumidos do seu
consumo de leite, queijo, sapatos de couro, botões, presume que você tenha
200 vacas.
Para se livrar do sarilho, você dá a vaca que resta ao inspector das finanças para que ele feche os olhos e dê um jeitinho…

*O frango atravessou a rua. Porquê?*

Sunday, November 29th, 2009

O PROBLEMA DO FRANGO ATRAVESSAR A RUA,**

SEGUNDO A OPINIÃO DE ILUSTRES PENSADORES DO PASSADO E DO PRESENTE*

*Professora Primária**

“Porque o frango queria chegar ao outro lado da rua.”*

*Criança**
“Porque sim.”*

*Platão**
“Porque queria alcançar o Bem.”*

*Aristóteles**
“Porque é da natureza do frango atravessar a rua.”*

*Descartes**
“O frango pensou antes de atravessar a rua, logo, existe.”*

*Rousseau**
“O frango por natureza é bom; a sociedade é que o corrompe e o leva a atravessar a rua.”*

*Freud**
“A preocupação com o facto de o frango ter atravessado a rua é um sintoma de insegurança sexual.”

Darwin
“Ao longo dos tempos, os frangos vêm sendo seleccionados de forma natural, de modo que, actualmente, a sua evolução genética fê-los dotados da capacidade de cruzar a rua.”

Einstein
“Se o frango atravessou a rua ou se a rua se moveu em direcção ao frango, depende do ponto de vista… Tudo é relativo.”

Martin Luther King
“Eu tive um sonho. Vi um mundo no qual todos os frangos livres podem cruzar a rua sem que sejam questionados os seus motivos. O frango sonhou.”

George W. Bush
“Sabemos que o frango atravessou a rua para poder dispor do seu arsenal de armas de destruição massiça. Por isso tivemos de eliminar o frango.”

Cavaco Silva
“Porque é que atravessou a rua, não é importante. O que o país precisa de saber é que, comigo, o frango vai dispor de uma conjuntura favorável. Não colocarei entraves para o frango atravessar a rua.”

José Sócrates
“O meu governo foi o que construiu mais passadeiras para frangos. Quando for reeleito, vou construir galinheiros de cada lado da rua para os frangos não terem de a atravessar.”

Mário Soares
“Já disse ao frango para desistir de atravessar a rua! Eu é que vou atravessar! Não vou desistir porque sei que os portugueses querem que eu atravesse outra vez a rua!!!”

Manuel Alegre
“O frango é livre, é lindo, uma coisa assim… com penas! Ele atravessou, atravessa e atravessará a rua, porque o vento cala a desgraça, o vento nada lhe diz!”

Jerónimo de Sousa
“A culpa é das elites dominantes, imperialistas e burguesas que pretendem dominar os frangos, usurpar os seus direitos e aniquilar a sua capacidade de atravessar a rua, na conquista de um mundo socialista melhor e mais justo!”

Francisco Louçã
“Porque é preciso dizer olhos nos olhos que só por uma questão racista o frango necessita de atravessar a rua para o outro lado. É uma mesquinhice obrigar o frango a atravessar a rua!”

Valentim Loureiro
“Desafio alguém a provar que o frango atravessou a rua. É mentira…!!! É tudo mentira!!!”

Paulo Bento
“O frango atravessou a rua com naturalidade… Era isso que esperávamos e foi isso que aconteceu, com muita naturalidade. O frango ainda é muito jovem e estas coisas pagam-se caro, com naturalidade!!!”

Zézé Camarinha
“Porque foi ao engate! É um verdadeiro macho, viu uma franga camone do outro lado da rua e já se sabe, não perdoou!!!”

Lili Caneças
“Porque se queria juntar aos outros mamíferos.”*

(recebido por mail)

Cigarros fazem bem à saúde

Wednesday, July 29th, 2009

Para quem tiver dúvidas sobre se deve ou não fumar o seu cigarrito, se fará ou não mal à sua bronquite crónica, e não puder pagar uma consulta por falta de um prometido cheque do Sócrates (tipo cheque-dentista) tem o seu problema resolvido. Basta deslocar-se a um pequeno café-pastelaria, muito perto da Basílica da Estrela, sentar-se, observar o ambiente em seu redor, apreciar a decoração, enquanto pensa no que vai pedir, e pousar o seu olhar num dos avisos da parede, exactamente aquele que gravei no meu “telelé” e que apresento neste post. Será então assaltado por uma onda de confiança que lhe trará a certeza que está no bom caminho e que, juntamente com outros clientes, poderá sacar do seu muito amado maço de cigarros e dar largas à sua necessidade de auto-afirmação e (porque não?) conviver com os outros fumantes, serenamente, isto é, sem trocas de palavras, sem que aqueles o incomodem com perguntas desnecessárias. É que só os charutos e as cigarrilhas fazem mal! Haja quem compreenda!… (Magda Reprezas)

José Socrates & Dom Corleone

Wednesday, July 8th, 2009

Blog humorístico

Monday, July 6th, 2009


Encontrei este blog humoristico feito por um professor:

Achei engraçado : )

Beijinhos

Susana

Jesus nasceu a tempo

Wednesday, March 18th, 2009
Naquele tempo, Jesus subiu ao monte seguido pela multidão e, sentado sobre uma grande pedra, deixou que os seus discípulos e seguidores se aproximassem. Depois, tomando a palavra, ensinou-os dizendo:
Em verdade vos digo, bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles…

Pedro interrompeu:
Temos que aprender isso de cor?

André disse:
Temos que copiá-lo para o caderno?

Tiago perguntou:
Vamos ter teste sobre isso?

Filipe lamentou-se:
Não trouxe o papiro-diário.

Bartolomeu quis saber:
Temos de tirar apontamentos?

João levantou a mão:
Posso ir à casa de banho?

Judas exclamou:
Para que é que serve isto tudo?

Tomé inquietou-se:
Há fórmulas, vamos resolver problemas?

Tadeu reclamou:
Mas porque é que não nos dás a sebenta e pronto!?

Mateus queixou-se:
Eu não entendi nada, ninguém entendeu nada!

Um dos fariseus presentes, que nunca tinha estado diante de uma multidão nem ensinado nada, tomou a palavra e dirigiu-se a Ele, dizendo:
Onde está a tua planificação?
Qual é a nomenclatura do teu plano de aula nesta intervenção didáctica mediatizada?
E a avaliação diagnóstica?
E a avaliação institucional?
Quais são as tuas expectativas de sucesso?
Tendes para a abordagem da área em forma globalizada, de modo a permitir o acesso à significação dos contextos, tendo em conta a bipolaridade da transmissão?
Quais são as tuas estratégias conducentes à recuperação dos conhecimentos prévios?
Respondem estes aos interesses e necessidades do grupo de modo a assegurar a significatividade do processo de ensino-aprendizagem?
Incluíste actividades integradoras com fundamento epistemológico produtivo?
E os espaços alternativos das problemáticas curriculares gerais?
Propiciaste espaços de encontro para a coordenação de acções transversais e longitudinais que fomentem os vínculos operativos e cooperativos das áreas concomitantes?
Quais são os conteúdos conceptuais, processuais e atitudinais que respondem aos fundamentos lógico, praxeológico e metodológico constituídos pelos núcleos generativos disciplinares, transdisciplinares, interdisciplinares e metadisciplinares?

Caifás, o pior de todos, disse a Jesus:
Quero ver as avaliações do primeiro, segundo e terceiro períodos e reservo-me o direito de, no final, aumentar as notas dos teus discípulos, para que ao Rei não lhe falhem as previsões de um ensino de qualidade e não se lhe estraguem as estatísticas do sucesso. Serás notificado em devido tempo pela via mais adequada. E vê lá se reprovas alguém! Lembra-te que ainda não és titular e não há quadros de nomeação definitiva.


Recebido por email de

"A força da mudança"

Tuesday, January 20th, 2009


Paulson e Bernanke – Pedido de empréstimo

Wednesday, October 22nd, 2008
Stewart: Então, meus senhores, Paulson, Bernanke, é um prazer vê-los aqui… novamente.

Paulson: Quero dizer-lhe que esta não é uma posição na qual eu queria estar. Eu não queria estar nesta posição…

Stewart: Descontraia-se, meu caro… sendo avaliador de empréstimos ouço isto todos os dias. Agora passemos a algumas formalidades. Como foi a sua carreira profissional?

Paulson: Fui director executivo da Goldman Sachs desde… Janei… Desde Maio de 1999 até sair, para vir para cá, em meados de 2006.

Bernanke: Nunca trabalhei em Wall Street, não tenho esses interesses nem essas ligações.

Stewart: Não estejam nervosos rapazes. Ambos são brancos, ambos são ricos, logo é claro que isto não é um daqueles empréstimos “sub-prime” com que nós tivemos de lidar. Muito bem, chega de conversa fiada, passemos aos números. Quanto é que estão a pedir?

Paulson: 700 mil milhões de dólares.

Stewart: 700 mil milhões? É que, segundo os meus registos, já cá esteve quatro vezes este ano, a pedir 25 mil milhões para a indústria automóvel, 85 mil milhões para uma companhia de seguros, 200 mil milhões para umas tais de Fannie e Freddie não-sei-quantas…

Paulson: É preciso mais.

Stewart: Pois, bem… Só de aceitares um cheque, ó careca. Aliás, um cheque careca. Um cheque sem cabelo… Digo cobertura… Só mais uma perguntas, minha gente, para quem é que vai esse dinheiro? Para o povo, calculo?

Paulson: Uma vasta gama de instituições… Bancos grandes, bancos pequenos, de depósitos e empréstimos, cooperativas de crédito…

Stewart: Porque é que não disse logo? Eles são de confiança, vão devolver-nos o dinheiro, certo? Barbudo (Bernanke), tens estado para aí calado.

Bernanke: Vai ser recuperada uma percentagem substancial, mas se será o total é difícil saber.

Stewart: É difícil saber… Interessante. Normalmente exijo uma resposta melhor, mas tendo em conta que foram vocês que nos meteram nesta crise, não terei o mesmo grau de exigência. Vamos ver se percebi bem: querem que vos demos quase um bilião de dólares para vocês os entregarem a bancos falidos, geridos por tipos que usam notas para acender os charutos e o melhor que me conseguem dizer é que talvez nos devolvam algum do nosso dinheiro?

Bernanke: Os contribuintes americanos verão o seu dinheiro bem empregue. Não consigo prever o futuro e já me enganei diversas vezes.

Stewart: Sabem que mais? Que se f… levem lá o dinheiro. Mais um empréstimo perdido? Tanto faz.

Transcrição de .

Esta semana temos…

Thursday, October 9th, 2008
…que acabar de corrigir as fichas de diagnóstico, entregar os respectivos relatórios/síntese, continuar a marrar nas grelhas, fazer novas grelhas, reunir imensoooo, falar muuuuuuuito de grelhas, inventar novas grelhas… e assim!!!

Que bom!

(Recebido por email de uma colega que está entretida a fazer grelhas!)

Oh yes!

Friday, September 26th, 2008


Segunda Terça Quarta Quinta Sexta

[]