Archive for the ‘ciências’ Category

Levitação quântica

Friday, October 21st, 2011

vôo espacial noturno

Thursday, September 22nd, 2011

Um vídeo do sobrevoo noturno das Américas a bordo da estação espacial (fonte). Não hesitem em aumentar a definição e ampliar o vídeo para cobrir todo o ecrã.

Peter Weatherall – O que é a fotossíntese?

Monday, May 26th, 2008
De um modo simples e claro este vídeo mostra o básico para o entendimento da formação de oxigénio na Natureza, gás fundamental para a sobrevivência dos animais, onde nos incluímos. É interessante como relata a formação da celulose a partir do açúcar formado! Para não nos esquecermos…

Fonte:
Tradução e legendagem: António Ferrão

Vídeos para o ensino da Física e da Química

Sunday, February 3rd, 2008
Para professores de Física e de Química do Ensino Secundário existe um blogue muito interessante e de fácil compreensão, para ajuda ( ou não ) nas suas aulas das várias disciplinas.
A autoria é do Professor Carlos Portela.
Veja e satisfaça a sua curiosidade .
Como exemplo extraímos este pequeno vídeo já legendado pelo autor do blogue:

Carlo Marafioti – Obscurantismo contra a ciência

Wednesday, December 12th, 2007

Carlo Marafioti era Presidente da Associação Santilli – Galileu para a Verdade Científica. O texto seguinte é a parte final do apelo feito em 2000 para conter o declínio da física.(AF)


Abusando da clemência dos ouvintes, atrevi-me a dizer que, no limiar do terceiro milénio estamos face à intromissão de uma forma de obscurantismo na ciência, comparável à do tempo de Galileu, mas talvez ainda mais profunda e diversificada.
Defino “ciência” como representações matemáticas, capazes de previsões numéricas invariantes, podendo ser sujeitas a confirmações experimentais, com técnicas disponíveis.
O primeiro sinal do obscurantismo que detectei está, portanto, ao nível da matemática pura, pois não são admitidas insuficiências fundamentais nos trabalhos académicos, por exemplo, para a representação clássica da antimatéria; para uma representação das interacções não-lineares, não-locais e não-hamiltoneanas por meio de um operador clássico invariante; para uma axiomática consistente com a irreversibilidade das reacções químicas, dos sistemas biológicos ou dos de outros campos.
Passámos depois em revista o obscurantismo que se instalou em vários domínios da física, clássica, das partículas e nuclear, como também na química quântica, na supercondutividade, na biologia, na astrofísica e nas cosmologias, com particular realce para o obscurantismo resultante das limitações das teorias de Einstein e da mecância quântica perante um acervo crescente de dados empíricos.
Para oferecer uma perspectiva histórica provisória, fiz um paralelo com o obscurantismo dos tempos de Galileu. Em particular, mostrei que as técnicas usadas pelos jesuitas na sua tentativa de eliminar as novas ideias, não só são plenamente aplicadas hoje em dia, como foram refinadas ao nível de uma arte sofisticada. Eesbocei depois uma série de paralelos entre as técnicas obscurantistas específicas em vigor na cena científica actual com aquelas que foram implementadas contra o trabalho de Galileu. Finalmente, concluí lembrando que o obscurantismo científico empreendido em Itália contra Galileu atrasou por séculos a aquisição de conhecimentos científicos fundamentais. Uma perspectiva desanimadora idêntica pode resultar do obscurantismo científico actual, porém com consequências muito mais sérias tais como: incapacidade para satisfazer necessidades realmente básicas das nossas sociedades; desenvolver novas fontes de energia limpas; reciclar os resíduos radioactivos ou outros deixados pelas gerações precedentes. Tudo avanços que exigem que se ponha termo aos fanatismos quanto à validade universal das teorias einsteinianas quaisquer que sejam as condições de existência possíveis do universo.

in Carlo Marafioti

publicado por em 31 de Janeiro de 2000

Georges Gurwitch – Tecnicização das ciências humanas

Saturday, December 30th, 2006

…A tecnicização atinge também as “ciências humanas”, muitas vezes tocando a raia da paródia. Os representantes das ciências humanas, em particular os da psicologia (individual, “social” e colectiva) e da sociologia, dão-se ares de técnicos da vida psíquica e da vida social e reivindicam cada vez mais o título de “tecnocratas”. Os detentores do poder económico e do poder público recorrem frequentemente às suas pretensas competências em diversos ramos do serviço público, com o único fito de justificar medidas não razoáveis, impopulares e autocráticas.
Estes psicólogos e sociólogos revelam-se assim como “tecnocratas de palha”, servindo apenas como biombos destinados a encobrir o lado arbitrário e autoritário dos poderes públicos, por um lado; e dos trusts e cartéis privados nacionais e internacionais, por outro. Estes pseudo-sábios, que nada têm a ver com as ciências verdadeiras que pretendem representar (tais como organizadores das “sondagens” da opinião pública e de estudos de mercado, etc) só conseguem desfigurar as ciências humanas. Desembocam na mecanização e na tecnicização das “relações humanas” e dos problemas reais que a vida mental e social coloca, com o único objectivo de os subordinar às orientações recebidas de antemão.

Excerto (tradução) de :
Les Cadres Sociaux de la Conaissance
Georges Gurwitch (1966)

Debbie Andalo – Empresários propõem o ensino de ciências gratuito

Monday, October 23rd, 2006

O governo britânico está a sofrer pressões para tomar medidas que contrariem o actual declínio do número de estudantes que optam por um ramo das ciências, Engenharia ou Matemática. Um relatório conjunto da Conservation of British Industry (CBI) e da empresa de tecnologias de informação LogicaCMG sugere a abolição ou, pelo menos, a redução dos preços do Ensino (level of tuition) para estas áreas, como forma de aumentar o número de estudantes que optem por estas carreiras. As administrações universitárias reportaram uma queda de 25% no número de estudantes que escolheram Matemática ou ciências de computação entre 2002 e 2005. O ralatório também pede que se estabeleça uma melhor coordenação entre as universidades e o sector industrial das tecnologias da informação, como forma de garantir a relevância do Ensino, assim como a criação de novos programas vocacionais dirigidos aos jovens do 14 aos 19 anos, a começar em 2008. Igualmente se sugere o alargamento da prática do “Professor Convidado”, pelo qual os profissionais da indústria das tecnologias da informação são envolvidos na actividade docente. “O Mundo aproxima-se da terceira revolução industrial… O Reino Unido deve assegurar-se que possui as aptidões necessárias para preencher os espaços deixados vazios pelas actividades que se deslocalizam. Agora, mais do que nunca, o governo deve equipar os jovens com os conhecimentos certos em ciências, Engenharia e Matemática” – afirmou o director geral da CBI, Richard Lambert.

Tadução (excerto) do original em inglês publicado no uma versão em modo texto do artigo completo.