Domingo, Março 09, 2008

Uma proposta realista e concreta

Enquanto os sindicatos forem tratados como palhaços, no ministério da educação, e enquanto não houver um acordo que seja aceite por ambas as partes, como é normal em democracia, venho propor o seguinte:

--> a avaliação dos professores, será feita da mesma maneira como a ministra faz a avaliação das suas negociações com os sindicatos, isto é: se a ministra diz que teve 100 reuniões com os sindicatos, então a avaliação do desempenho docente será feita com a simples indicação do número de aulas dadas, acrescido do número de horas passadas em reuniões.

--> os efeitos produzidos pela avaliação aos docentes, serão os mesmos que os efeitos produzidos pela contestação dos professores ao ministério da educação, isto é: ZERO.

--> a surpresa dos professores pelos resultados da política educativa, será a mesma surpresa que a ministra sente pela contestação dos professores, isto é: não se pode afirmar que são exigidos "mais sacrifícios" aos professores, sem acrescentar o que é que se cedeu em troca dos mesmos.

Porque aquilo que distingue uma democracia duma ditadura, é precisamente que a democracia é para todos, ao passo que aquilo que é apenas para alguns, chama-se ditadura.

--> mais proponho, que em todas as manifestações dos professores, nunca deixem de ser lembrados aqueles que faleceram no activo por doença, depois de verem recusados os pedidos de aposentação por incapacidade física, porque esses são os heróis que responderam com a dignidade democrática ao totalitarismo dos ditadores.

Etiquetas: , , ,

3 Comentários:

At 22:33, Blogger CALHAU DA AREIA disse...

O Senhor chamou?

Maria de Lurdes

 
At 10:13, Blogger Elisabete disse...

Isso é mais ou menos a brincar, colega!
Parece-me que agora, o importante era conseguir que todas as escolas parecem com tudo o que diz respeito à avaliação de Professores e gestão das escolas. Não é impossível, por exemplo,criar um texto e enviá-lo para todos os Executivos e Pedagógicos.
Nesse compasso de espera, refectir-se-ia sobre as propostas a apresentar.
Temos de ser pragmáticos e agir. Temos de mostrar ao país que sabemos fazer as coisas melhor do que o Ministério. Não acha?
P'ra frente é que é o caminho. Mas um caminho recto, bem definido, sério. Sem bagunça.

 
At 12:22, Blogger José Ferrão disse...

Trata-se de uma simples reflexão a dizer que, se os professores seguirem aquilo que o ministério pratica (em vez daquilo que diz), então as escolas tornavam-se no mesmo caos em que se encontra actualmente atolado o ministério da educação.

Muito agradecido pela visita.

 

Enviar um comentário

<< Home


hits: