Quarta-feira, Janeiro 09, 2008

A lógica do Ministério da Educação




Parece que Portugal recebeu dinheiro da U.E. para formação profissional. Verdade?
Parece que o M.E., afinal, continua a exigir acções de formação aos seus professores para eventual progressão na carreira. Verdade?
O que eu sei é que estão já disponíveis mapas de acções de formação em várias escolas. Conforme a sua duração assim lhes corresponderão créditos que os professores vão acumulando.
O que eu também sei é que essas acções de formação vão ser pagas pelos formandos, pelo menos para já, e que ficam entre 50 e 70 euros cada.

Ora, todos sabemos que as empresas privadas investem na formação dos seus quadros, pagando-lhes essa formação. Também sabemos que até 28 de Agosto de 2005 o Estado pagava a formação dos seus professores, pelo menos a que lhes exigia, pois cada profissional podia reforçar os seus conhecimentos, actualizar-se, com outras formações que pudesse pagar.

É espantoso o que estamos a observar todos os dias, especialmente a actuação deste governo no que diz respeito às suas atitudes para com o corpo docente público.
Despojam-no de dignidade, sugam-lhe as algibeiras, retiram-lhe autoridade, exploram-no até à exaustão com implicações na qualidade do Ensino em Portugal.
Mas Sócrates não está preocupado com a Educação, está ocupado em apresentar números, não para os nacionais mas para os seus congéneres estrangeiros a quem ele "bate a pala". Assim com a diminuição da qualidade, com a exaustão, passarão muitos mais alunos de ano, a todos os níveis, que irão engrossar o exército de analfabetos funcionais de que já dispomos em grande número de unidades.

Há que tomar medidas que impeçam este estado de coisas!

....

Etiquetas: ,

3 Comentários:

At 18:52, Blogger Setora disse...

Ainda bem que cá vim e pude ver que levantam este assunto.
Estou furiosa com este pagamento das acções de formação e espantada por ver todos cordatamente a inscreverem-se prontos para pagar.
Diz no Estatuto que a formação é um direito e que a tutela deve providenciá-la.

 
At 21:22, Blogger Magda Nieto Reprezas disse...

Setora
O receio que este governo conseguiu difundir no seio dos professores, para reinar, claro, é tanto que poucos questionam o problema quando se inscrevem. Esquecem-se que por muitas acções que façam, mesmo pagando, vão continuar presos no afunilamento da avaliação e não vão "subir".
Neste momento não é possível uma posição de não inscrição porque não há uma voz, pelo menos por onde eu ando, que diga:
-recuso-me a fazê-lo.
Depois essa pessoa ficaria em cheque e penalizado quem o fizesse.Até porque não se consegue controlar as inscrições. E é assim que se comandam milhares de pessoas.
Pelo medo, já aconteceram crimes hediondos na História da humanidade!E por medo de uma só pessoa!

 
At 00:33, Blogger José Carrancudo disse...

O Ministério da Educação na sua santa incompetência teima em ignorar que a razão principal dos problemas do nosso ensino escolar, causadora de todos os outros problemas, é um paradigma viciado, manifestamente destruidor de toda e qualquer aprendizagem, que foi imposto a este sistema pelo mesmo Ministério, quando há 30 anos prescindiu-se de desenvolver as capacidades de memorização dos alunos. Este paradigma está a ser reforçado nos seus efeitos nefastos pelo método global de ensino de leitura, que deixa mais de metade dos alunos sem capacidade efectiva de ler.

Estes assuntos estão discutidos em mais pormenor no nosso blog, onde igualmente propusemos as medidas que permitam reconstruir o ensino escolar.

Comparados com este disparate pedagógico monumental, todos os outros factores, incluindo alegadas faltas de formação dos professores, são manifestamente secundários.

O Governo anda é poupar dinheiro de toda a maneira, nunca se preocupando com as questões pedagógicas, essenciais para melhoria da qualidade do nosso ensino.

 

Enviar um comentário

<< Home


hits: