Quarta-feira, Julho 19, 2006

O que quer Israel?

Imagine um grupo de generais que durante anos simularam cenários sobre a Terceira Guerra Mundial, na qual deslocam exércitos enormes, usam as armas mais sofisticadas e gozam da imunidade dos seus quarteis-generais computarizados de onde dirigem os seus jogos de guerra. Agora imagine que esses generais sao informados de que nao haverá Terceira Guerra Mundial e que as suas aptidões sao necessárias para acalmar alguns subúrbios próximos ou lidar com a criminalidade crescente que ocorre em bairros empobrecidos. E então imagine - no episódio final da minha crise hipotética - o que acontece ao descobrirem quão irrelevantes foram os seus planos e quão inúteis são as suas armas na luta contra a violência nas ruas, resultante das desigualdades sociais, pobreza e anos de discriminação. Poderão nessa altura admitir o seu fracasso ou, não obstante, decidir-se a usar o poder destrutivo do arsenal colocado à sua disposição. Testemunhamos hoje a devastação causada pelos generais israelitas que optaram pela segunda alternativa.

Fui professor em universidades israelitas nos últimos 25 anos. Muitos dos meus alunos eram oficiais superiores do exército. Assisti à sua frustação desde que foi desencadeada a primeira intifada em 1987. Eles detestam este tipo de confrontação, denoinada eufemisticamente pelos americanos de Relações Internacionais como "conflito de baixa intensidade". É demasiado baixo para o seu gosto. Foram colhidos com pedradas, coktails molotov e armas primitivas requerendo um uso muito limitado do soberbo arsenal acumulado ao longo dos anos e não punha à prova as suas capacidades num campo de batalha verdadeiro. Mesmo que façam avançar tanques e caças F-16, estão apenas a esboçar uma sombra daquilo para que foram preparados no quartel-general israelita Matkal, equipada com o que de mais sofisticado se pode encontrar no mercado, e pago com os impostos dos contribuintes americanos.

Tradução (excerto) de
Ilan Pappe, The Electronic Intifada, 14 July 2006
Ver o artigo completo em inglês aqui.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home


hits: