William Engdahl – Anti-americano?

António Ferrão, 2015-05-19

Estou cada vez mais consternado com o facciosismo anti-americano dos seus artigos, que leio com frequência. Parece que agora os Estado Unidos da América (EUA) são o bandido e o Eterno Senhor da Guerra Putin é o herói. O Sr. não faz a mais pequena idéia do que se passa hoje na Rússia e na Ucrânia. A minha mulher vem da Ucrânia e diz que os russos são os agressores… Alguma vez se interrogou, quando Putin anexou a Crimeia, por que não o fez em 1999, quando se tornou presidente pela primeira vez? Pois é, não o fez nessa altura porque teve de marchar para a Tchetchénia para esmagar os bandos de extremistas…

E em 2000-2004, durante o seu primeiro mandato? Ah, é verdade, esteve ocupado com a prisão do oligarca do petróleo Kodorkovsky. Só escumalha!… Admito que os americanos também tenham a suas falhas, como a já recuada Operação Condor ou a mais recente guerra no Iraque ou ainda o apoio aos rebeldes na Síria, falhanços de todo o Ocidente que só resultaram no fortalecimento dos extremistas. Não contesto.

Apesar disso, continuo a pensar que os americanos são mil vezes preferíveis aos russos…

Assinado: Sr. Schneider

Em primeiro lugar, Sr. Schneider, permita-me dizer-lhe que sou americano e declaradamente não sou anti-americano. Amo o meu país e os meus concidadãos.

O que eu não amo é a clique dos muito ricos que – sobretudo nas últimas três décadas, desde o tempo de Reagan e Bush Sénior – gradualmente foram subvertendo a Constituição Norte-Americana e suas garantias de direitos dos cidadãos, destruiram as normas de protecção da saúde e da segurança ao facilitarem os regulamentos da Agência para a Protecção Ambiental, beneficiando as empresas como a DuPont ou a Monsanto a expensas do público.

O que eu não amo é o modo como estes pequenos círculos à volta de David Rockefeller, George Soros, Bill Gates, Ted Turner, Warren Buffet, George Bush Sénior e Júnior e agora também Jeb Bush usaram as suas fortunas para corromperem representantes do congresso para conseguirem a aprovação de leis atentatórias do bem estar geral.

O que eu não amo são os bancos da Wall Street, que pagaram a congressistas para revogarem leis que já vigoravam desde o colapso das bolsas de acções em 1929 e que impunham restrições aos abusos dos bancos. Não gosto que o governo dos EUA – tanto o de George W Bush como o de Barack Obama – usem centenas de milhares de milhões de dólares dos contribuintes para salvar banqueiros corruptos e criminosos – demasiado grandes para falhar, ao que nos dizem. Ao mesmo tempo, deixam penar na pobreza os cidadãos desempregados ou expulsos das suas casas e deslocam postos de trabalho para a China, Roménia ou México à procura de salários de miséria.

Como economista, como historiador das idéias económicas e como jornalista, dediquei mais de trinta anos a investigar o que estava mal no meu país, os EUA. Ao Sr. Schneider, como pessoa que se sente inquieta e procura genuinamente o conhecimento dos factos, convido a ler algum dos meus livros, disponíveis no sítio www.williamengdahl.com.

Tenho alguma dificuldade em acompanhá-lo na maneira muito dilatada e ao mesmo tempo vincada como coloca questões, chegando ao ponto de me atribuir a conclusão geral de que a América é o bandido e o Eterno Senhor da Guerra Putin é o herói. Para mim o importante é que as questões sejam apresentadas com os contornos tão bem definidos quanto possível. Assim, ater-me-ei aos aspectos concretos que levantou sobre a Rússia.

Adianto-lhe desde já que, fosse eu o presidente da Rússia em 1999, teria agido sensivelmente do mesmo modo que Putin. Na altura vigorava um acordo assinado entre Rússia e a Ucrânia em 1997, cedendo à Rússia o direito de usar o porto de Sebastopol na Crimeia nos 20 anos subsequentes, porto este que tem uma importância estratégica no sistema de defesa russo. Era então inconcebível que algum dia deflagrasse uma guerra entre a Rússia e a Ucrânia. Tenho muitos amigos ucranianos que à pergunta de onde és? respondem prontamente da Rússia! Desde a independência da Ucrânia em 1991, este país tem sido governado por oligarcas que delapidam impiedosamente as suas riquezas, autênticos bandidos como Leonid Krachuk, criminosos como Leonid Kruchma, Vitor Yushenco e Yula Timochenco.

Porém, em 1999, a segurança da Esquadra do Mar Negro na Crimeia não constituía preocupação para a Rússia. O que constituia uma ameaça para a segurança nacional da Rússia eram as operações de guerra financiadas pela Central Inteligence Agency (CIA) na Tchetchénia, para onde foram exportados mercenários contratados por Osama Bin Laden que haviam adquirido experiência na guerra no Afeganistão entre 1979 e 1989.

A política dos EUA no tempo de George Bush Sénior, prosseguida também por Clinton e Gore após o fim da Guerra Fria, era a de destruir as condições de vida da Rússia como nação soberana, tal e qual como Washington está a fazer agora com a Ucrânia. Foi exactamente Bush Sénior quem garantiu, na reunião das 7 potências mais ricas do mundo (G7) em 1990, que todas as reformas económicas a implementar na Rússia seriam conduzidas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), este estreitamente controlado pelo Departamento do Estado do Tesouro dos EUA.

George Soros e os economistas apologistas da doutrina conhecida como terapia de choque, Jeffrey Sach e Anders Aslund da Universidade de Harvard, associaram-se a criminosos russos como Yegor Gaidar ou Anatoly Chubais para literalmente privatizarem as jóias da coroa russa, a sua indústria do alumínio, as indústrias aero-espaciais, o petróleo e outros activos. Tudo foi feito em nome da eficiência do mercado livre. Sob o domínio de Yeltsin-Chubais-Gaidar o pagamento das pensões foi suspenso e alguns candidatos a oligarcas próximos do bandido Yeltsin tornaram-se bilionários da noite para o dia.

Foi neste ponto que entrou em cena Mikail Kodorkovsky, o homem que se tornou no mais rico da Rússia em 2004. Aconteceu num processo que incluiu a compra de votos de deputados da Duma para garantir a alteração da lei que proibia a propriedade privada das riquezas minerais. Para isso, tiveram a assessoria do banqueiro de Londres Lord Rotschild e de Henry Kissinger através da sua Open Russia Foundation, corrompendo a Presidência da Rússia com fundos da Yukus Oil, uma companhia adquirida por manipulação fraudulenta das privatizações das empresas do estado.

Isto não é propaganda pró-Putin. É uma informação dispensada por Lee Wolowsky do respeitável US journal of Foreign Affairs, órgão do New York Council on Foreign Affairs. Lee Wolowsky, um antigo agente do contraterrorismo durante a administração Clinton, descreveu também o modo como em 1999, a Yukus conseguiu desviar cerca de 800 milhões de dólares num período de apenas 36 semanas manipulando as transferências cambiais. Acrescentou pormenores sobre o modo como Kodorkowsky exauriu activos gigantescos das diversas dependências da Yukus a seguir à crise financeira de 1998. Kodorkovsky foi e é ainda hoje um gangster, provavelmente a viver um exílio dourado na Suíça.

Lamento, Sr. Schneider, que a sua cronologia dos acontecimentos sobre a Crimeia e a Ucrânia não seja mais específica, impossibilitando-me de ir ao encontro de algum ponto que lhe suscite dúvidas. Permita-me apenas dizer-lhe que, com o golpe de Kiev de 22 de Fevereiro de 2014 orquestrado pelos EUA, foram catapultados para o poder um punhado de organizações criminosas, anti-semitas e neo-Nazis confessas, tais como o Partido Svoboda, o Pravy Sector e outros, sendo claro que a integração da Ucrânia na Organização do Tratado do Atlãntico Norte (OTAN) está na calha.

O novo governo não-eleito de Kiev prepara medidas contra a língua russa e outras iniciativas legislativas hostis a qualquer russo-descendente no país, ou seja, a Crimeia e o Leste da Ucrânia.

Washington desempenhou um papel invulgarmente ostensivo no golpe de estado de Fevereiro, através do envolvimento directo do senador John McCain e da Secretária de Estado Adjunta Victoria F**k the EU Nuland. Foi logo a seguir à intervenção dos ministros dos negócios estrangeiros da Polónia e da França terem conseguido um compromisso com todos os partidos de Kiev visando impedir a guerra.

Em entrevista ao jornal russo Kommersant em Dezembro do mesmo ano, George Friedman, fundador da Stratfor, uma agência privada de espionagem cujos principais clientes são a CIA, o Pentágono e o Departamento de Estado, deixou claro que [o derrube do governo de Kiev em Fevereiro de 2014] foi um golpe de estado organizado pelos EUA, acrescentado: na realidade, foi o golpe de estado mais descarado jamais realizado.

Moscovo apercebeu-se imediatamente que, às ordens dos golpistas comandados pelos EUA, a Crimeia ficava a um passo de se transformar numa base da OTAN. Foi então que os cidadãos da Crimeia foram chamados a responder a um referendo, do qual resultou uma votação superior a 90% a favor da cesseção relativamente à Ucrânia e pedido de anexação imediata à Rússia. Até Washington não conseguiu desmentir o caracter democrático do referendo e optou inicialmente por ignorá-lo, insinuando depois que os russos haviam forçado com armas a população a votar. Conheço pessoas que estiveram lá e que garantem que nada disso aconteceu. Houve, isso sim, uma tentativa do grupo terrorista Tratar, organizado pela CIA e com ligações à contra-espionagem turca, de provocar a irrupção de um protesto violento anti-russo ao estilo Estado Islâmico (ISIS). Esta tentativa foi gorada.

Quanto ao seu comentário preferindo mil vezes os americanos aos russos, está no seu direito. Também eu tenho as minhas preferências e me sinto com direito a elas.

Mais uma vez agradeço os seus comentários. Ao longo 30 anos como jornalista profissional pude assitir a mais corrupção nos principais meios de comunicação social tanto nos EUA como na Europa do que alguma vez poderá imaginar. Quando a publicação de pontos de vista diferentes dos nossos nos grandes meios de informação nos provoca medo, abrimos a porta à manipulação do pensamento, por onde passam lestos o governo ou directamente os oligarcas. Considere-se com sorte por ainda usufruir do acesso a pontos de vista controversos através da internet a alguns outros meios. Nunca peço para que concordem comigo. Se encontrar algum erro meu, saiba que estou preparado para reconhecê-lo e que isso já aconteceu no passado.

Frederick William Engdahl, Reply to a Reader’s Complaint about Anti-American Pro-Russian Bias, 30.04.2015

Raúl Ilargi Meijer – A Questão da Grécia é apenas política

António Ferrão, 2015-05-14

A Grécia pagou ontem ao Fundo Monetário Internacional (FMI) usando as suas próprias reservas nesse banco. Será assim tão extraordinário? O que quer que se diga a respeito, não retira à Grécia a necessidade de uma reestruturação maior da sua dívida caso queira sair da crise e ter futuro como nação – muito para além de simples membro da eurozona. Mas a União Europeia (EU) e a troyka anno 2010 decidiram salvar os bancos alemães, franceses e da Wall Street (sei que há sobreposições) e, em vez de obrigarem os bancos a reestruturar dívidas resultantes de investimentos de rentabilidade irracional em títulos do tesouro ou em apostas insanas na saída da Grécia da UE, optaram por colocar os custos directamente sobre os ombros da população grega.

Esta é, como já salientei, uma decisão inteiramente política. Também é, diga-se, uma decisão que o Banco Central Europeu (BCE) deveria ter contestado veementemente, pois como instituição independente e apolítica, nunca deveria ter permitido ver-se envolvido numa situação como esta. Mas o BCE não protestou. Mal o compromisso acabara de ser assinado, Bruxelas apressou-se a alardeá-lo como sendo tão inevitável como a arca de Noé. Não é. Simplesmente, uma decisão a somar a muitas outras, onde acima da satisfação de necessidades vitais das pessoas a prioridade foi dada aos ganhos dos bancos.

Foi assim que as pessoas se viram atingidas repentinamente por uma vara muito comprida. Desde que o Syriza foi eleito com maioria significativa para governar a Grécia, este é o pomo de todas as discórdias. Por mais que se repita que os gregos viveram acima das suas possibilidades durante muitos anos, é claro que os desempregados, as crianças com fome e os idosos sem assitência médica não o fizeram.

A troyka afirma que salvou a Grécia. Os gregos, pelo contrário, alegam que apenas 8 a 9% do dinheiro do salvamento foi destinado a pagar salários, tendo sido o restante consumido na cobertura de prejuízos dos bancos sistémicos ou entregue à elite política e económica recém-apeada da Grécia. Por acaso, tal elite foi exactamente aquela com quem os membros da troyka fizeram alegres negócios. Em vésperas de eleições, era ainda possível escutar dirigentes de vários países integrantes da troyka a apelar despoduradamente aos gregos para que recolocassem a mesma elite profundamente corrupta no poder, não obstante a indesmentível responsabilidade que esta carregava e carrega na destruição da economia grega.

A troyka quer que o governo do Syriza faça coisas que contrariam as suas promessas eleitorais. Não fica perturbada pelas incontáveis vozes que já denunciaram falhas às medidas de austeridade como as que estão sendo aplicadas em vários países. A troyka insiste: é preciso mais austeridade. Sabendo perfeitamente que o mandato que o Syriza recebeu não o permite. Para já nem invocar questões morais.

Este é um jogo de Poder. É um jogo de vontade política. No entanto, quer a imprensa quer a troyka sempre o caracterizaram como sendo de natureza económica. Se tal fosse verdade, como se explicaria o facto das declarações feitas ontem pelo governador do Banco Central da Áustria e membro da direcção do BCE, Ewald Nowotny, terem passsado sem qualquer destaque ou contestação?

Nowotny do BCE: o problema da Grécia não é económico:

O problema da Grécia é mais uma questão política do que económica, afirmou na segunda-feira um membro do BCE, Ewald Nowotny. As discussões com partidos políticos de esquerda como o Syriza ou o Podemos de Espanha podem ser refrescantes por trazerem novas idéias, porém no final há que tirar conclusões. Nowotny acentuou que acrescentar novas idéias não deve ser confundido com cair num jogo estéril.

O elemento directivo do BCE abstêve-se de considerações sobre a solução do problema financeiro grego, defendendo que essa questão é mais política do que económica. O Sr Nowotny também não reconhece qualquer papel do BCE na criação de um governo financeiro federalizado dentro da zona euro. Não podemos sobrepor-nos à esfera política, disse.

(cf Reuters, 11 de Maio de 2015)

Estas afirmações, na nossa opinião, alteram radicalmente o ponto de partida das discussões. Comecemos pelo papel do BCE. Se, por um lado, o problema grego é totalmente político, não cabe ao BCE qualquer palavra na discussão, algo que está longe de ficar esclarecido, mas que é correctamente apontado por Nowotny. Se o assunto é da esfera política, o BCE deveria retirar-se da questão grega. Assim respeitaria o seu estatuto de independência que o proíbe de intrometer-se em decisões políticas.

Ao BCE cabe providenciar dinheiro à Grécia quando solicitado, dado que não existe outro banco central que cumpra a função de emprestador de último recurso para o país. Até que, porventura, Bruxelas declarasse para parar de o fazer, o que continuaria a ser problemático pelo que representaria de submissão de uma instituição independente a uma decisão de natureza política. Seria preferível que a ‘união’, ou melhor, os restantes membros, dispensassem aquilo que a Grécia precisa. Sucede que os países da UE – aparentemente – não estão convencidos de que formam uma união.

Na perspectiva dos membros da UE, a união existe quando tudo corre bem. Ou quando os bancos precisam ser salvos: só depois as pessoas podem disputar as sobras.

O FMI anunciou que não pretende fazer parte do terceiro salvamento da Grécia. Já quase ninguém deu por isso, mas também esta declaração consagra o FMI como um novo decisor político. Lagarde e companhia alegam que não podem emprestar dinheiro aos países que não tomam as medidas ‘certas’. Mas quem concedeu a Lagarde o poder de arbitragem sobre actos de um governo que honra os compromissos sufragados pelos cidadãos? Mais significativo ainda, à luz das palavras de Lagarde, como se explica que o FMI tenha feito o recente empréstimo à Ucrânia? Será que o desempenho da economia da Ucrânia é melhor que o da Grécia? Ou estará a Ucrânia, simplesmente, a afundar-se num pesadelo político?

Levando à letra as palavras de Nowotny, cabe ainda questionar: o que fazem os ministros das finanças nas negociações da questão grega? Tal participação não redundará em perda de tempo e confusão adicionais? Não há pasquim no mundo que não tenha divulgado o reparo do ministro das finanças alemão, Schäuble, de que a Grécia deveria referendar a solução, caso quisesse, e que talvez assim o assunto ficasse resolvido.

Mas um decisão destas está longe das competências de Schäuble, tal como não compete ao ministro das finanças grego, Varoufakis, sugerir qualquer referendo a ser realizado pelo estado alemão. Quanto a esta segunda sugestão hipótética, rapidamente seria tomada como uma ingerência intolerável. Já quanto à sugestão expressa por Schäuble, passou facilmente na imprensa como sendo razoável. É um demonstração de poder, dir-se-á. Mas é sobretudo revelador de como a imprensa perdeu a noção do seu papel na sociedade. Uma imprensa reduzida a mera agência de publicidade de quem, circunstancialmente, ocupa a cadeira do poder.

Se a questão grega é agora, ou talvez tenha sido sempre, eminentemente de natureza política como Nowotny assevera, por que razão Varoufakis, Dijsselbloem (um diplomado em economia agrícola, o que quer que isso signifique) e o antigo chefe dos serviços secretos alemães Schäuble continuam a discutir o assunto? Quem ousaria delegar a decisão sobre uma questão política de primeira grandeza num ministro das finanças? Não tem cargo à altura para tanto.

Tratando-se de um contencioso político, não deveria antes ser entregue a Merkel, Juncker e Tsipras? Até aqui, algo nos dizia que talvez não fosse má idéia. Mas agora temos a certeza de que é uma boa idéia. Pois se mesmo o BCE já garante que a questão não é de dinheiro…

Raúl Ilargi Meijer, The Automatic Word, 12 de Maio de 2015

Josephine Witt – Parem a ditadura do Banco Central Europeu

António Ferrão, 2015-04-16

Somos donos das nossas vidas – algo difícil de lembrar face á política monetária devastadora do Banco Central Europeu (BCE).

Não somos cordeiros do teu jogo viciado, não estamos à tua disposição, não estamos à venda, não somos descartáveis.

“Somos donos das nossas vidas” será o protesto que vencerá a repressão, quando deixarmos de encarar a nossa pobreza como uma derrota pessoal e uma situação imutável.

Dona do universo, vim aqui para te lembrar que não há deus, mas há pessoas por detrás dessas vidas e se persistires em governar em vez de servir, o clamor dos protestos aumentará e terás de escutá-lo cada vez mais alto, fora ou dentro das tuas paredes, por todo o lado, não conseguirás encontrar refúgio.

Enquanto persistires na tua autocracia hegemónica, protegida por estados securitários e policiais, só conseguirás aumentar a violência diária e nós acabaremos por encontrar a via pacífica radical e agiremos contra os desastres humanitários que andas a fabricar.

Não aceitaremos a tua pretensão tresloucada de que a condição para sobrevivermos passa por sacrificarmos a nossa liberdade e vendermos a nossa dignidade aos bancos.

Se persistires na tua arrogância contra as pessoas, só conseguirás aumentar perigosamente a dívida que já contraiste para com elas. As tuas aparições públicas esporádicas não te conferem qualquer legitimidade democrática.

Seria pueril esperar de uma instituição ilegítima como tu que a minha voz fosse escutada ou que as minhas palavras compreendidas, mas sei que há muita gente que entende perfeitamente o que digo.

Hoje sou apenas uma lançadora de confetis que te envia uma mensagem, mas treme com o que está para vir. Saberemos resgatar as nossas vidas.

Longe está a tua dívida de ficar saldada.

Josephine Witt no Radical Cinema

Finalmente de Volta

Lúcio Ferrão, 2014-04-20

Depois de uma longa ausência o ferrao.org está de novo a funcionar.

Dinheiros públicos, vícios privados

António Ferrão, 2012-12-03

A fórmula esquecida

José Ferrão, 2012-11-17

Não percebo como é que esta fórmula tão útil, simples e pedagógica nunca foi incluída nos programas de Matemática do básico.
Trata-se da fórmula para calcular a área de um triângulo qualquer, baseada apenas no comprimento dos lados, que é a medida mais fácil de obter na prática:

AxA = s (s-a) (s-b) (s-c)
sendo A a área do triângulo, a, b e c o comprimento dos lados e s o semi-perímetro, ou seja
s = (a + b + c) /2

A primeira coisa que nos diz a fórmula, é logo de entrada que nenhum lado pode ultrapassar a soma dos outros dois: se assim fosse, esse lado seria maior do que o semi-perímetro, obrigando o AxA a ser negativo.
Outro aspecto muito interessante é que a fórmula ignora completamente os ângulos, conseguindo assim dissociar a aritmética da trigonometria, o que permite dar muito mais flexibilidade à programação da disciplina.
Mas o aspecto que eu considero mais interessante, é a forma como apresenta a construção das unidades de medida, associando directamente a área ao quadrado da medida linear, numa altura em que os estudantes se encontram precisamente no estádio da compreensão da construção das unidades de medida compostas a partir das unidades de medida fundamentais.

A república ao contrário

José Ferrão, 2012-10-05

5 de Outubro de 2012
Depois da comemoração da república passar à clandestinidade, saindo dos Paços do Concelho, a bandeira foi hasteada com o bresão de cabeça para baixo

O quadrado redondo

José Ferrão, 2012-08-26

O problema de dividir uma área quadrada em várias áreas de igual superfície, tem uma solução trivial que consiste em dividir os lados num número igual de partes inteiras, obtendo-se assim vários quadrados mais pequenos, num total que é igual ao quadrado do número de partes em que se dividiram os lados.

Obtém-se deste modo um, quatro, nove ou dezasseis quadrados mais pequenos, conforme se encontra ilustrado na figura.

Não é tão evidente a solução quando se trata de dividir uma área circular num número de partes que tenham superfícies idênticas.

Na figura em anexo encontra-se uma solução muito simples, que permite resolver o mesmo problema para o caso da área circular.

A figura não se encontra bem à escala, mas a ideia é que cada círculo tenha o diâmetro do anterior somado ao diâmetro do mais pequeno. Assim, os diâmetros serão respectivamente, um, dois, três e quatro unidades do mesmo modo que os lados dos quadrados anteriores eram um, dois, três e quatro.

Se assim for, então as áreas de cada um dos círculos serão, respectivamente,
A₁ = π x R² = π x (D/2)² = π x D² /4
A₂ = π x (2R)² = π x (2D/2²) = π x D² = 4 x A₁
A₃ = π x (3R)² = π x (3D/2)² = π x (9D²) /4 = 9 x A₁
A₄ = π x (4R)² = π x (4D/2)² = π x (2D)² = π x 4 D² = 16 x A₁

Como a primeira coroa circular se encontra dividida em três partes iguais, e o círculo que lhe corresponde possui uma área total que é igual a quatro círculos interiores, logo cada uma das três secções circulares tem área igual ao primeiro círculo.

Pelo mesmo raciocínio concluímos que o terceiro círculo se encontra dividido em 4 + 5 = 9 áreas idênticas, e o último círculo fica com 9 + 7 = 16 áreas idênticas.

Corrigi a descrição dos diâmetros, em 28Ago2012.

Gregory Palast – Os quatro passos da maldição

António Ferrão, 2012-03-13

Foi uma cena digna de Le Carré: o agente secreto chegou do frio e, após horas de relato, esvaziou a memória dos horrores cometidos em nome de uma ideologia apodrecida.

Mas o peixe era bem mais graúdo que os espiões usuais da Guerra Fria. O antigo homem do aparatish não foi outro senão Joseph Stiglitz, ex-economista principal do Banco Mundial. A nova ordem mundial foi a teoria económica em que medrou.

Estava em Washington para o grande conciliábulo do Banco Mundial com o Fundo Monetário Internacional. Mas agora, em vez de se sentar ao lado de ministros e banqueiros, esteve no outro lado do cordão policial. O Banco Mundial despediu Stiglitz há dois anos. Não lhe foi permitida uma reforma sossegada: foi excumungado por ter expresso leves divergências com o estilo de globalização do Banco Mundial.

Aqui em Washington, entrevistámos Stiglitz em exclusivo para The Observer e para a Newsweek sobre os os trabalhos preparatórios das reuniões do FMI, o Banco Mundial e do proprietário de 51% dos bancos norte-americanos, o Tesouro dos EUA.

Também em Washington, mas de fontes anónimas (não Stiglitz), conseguimos obter preciosos documentos com as marcas ‘confidencial’ e ‘secreto’.

Stiglitz ajudou-nos a traduzir um desses documentos, intitulado ‘estratégia de assistência ao país’. Havia uma estratégia de assistência para cada nação pobre, projectada, segundo afirma o Banco Mundial, após minuciosas investigações empreendidas no terreno.

Porém, segundo o insider Stiglitz, a ‘investigação’ do Banco Mundial pouco mais era que uma visita aos salões dos hotéis de cinco estrelas. Terminavam numa reunião com o ministro das finanças do país que pedia o empréstimo, a quem era apresentado um ‘acordo de ajustamento’ para assinatura ‘voluntária’.

Cada nação era analisada, afirmou Stiglitz. Depois o Banco apresentava sempre o mesmo programa em quatro etapas.

O primeiro passo era a privatização. Stiglitz comentou que, em vez objectarem contra a alienação das empresas do Estado, alguns políticos – usando os bons ofícios do Banco Mundial para silenciar os críticos – alegremente entregavam as empresas de água e de electricidade dos seus países. ‘Conseguiria ver o brilhosinho nos olhos’, quando eram mostradas as comissões por abate de alguns milhares de milhões do preço de venda.

O governo dos EUA sabia disso, acusou Stiglitz, pelo menos no caso da maior de todas as privatizações, que aconteceu em 1995 na Rússia. A posição do Tesouro dos EUA na altura foi: “Óptimo, foi para isso que quisémos a re-eleição de Yeltsin. Pouco nos importa que tenham sido umas eleições fraudulentas.”

Não é fácil descartar Stiglitz com um vulgar conspirador. O homem esteve por dentro do jogo – foi membro do gabinete de Bill Clinton e chefe do conselho dos consultores económicos da Presidência.

O que mais enfurece Stiglitz é que os oligarcas russos apoiados por Washington tenham expoliado os bens do país, reduzindo o produto nacional bruto a metade.

Após a privatização, o Segundo Passo é a liberalização do mercado de capitais. Teoricamente, isto abre a possibilidade aos capitais investidos fluirem para dentro ou para fora do país. Infelizmente, como o demonstram os casos da Indonésia e do Brasil, os capitais fluem apenas para fora.

A esta etapa, Stiglitz chama a ‘reciclagem do dinheiro quente’. O dinheiro entra para as actividades especulativas e foge à primeira brisa de perturbação. As reservas do país podem secar em questão de dias.

Quando os capitais fogem, o FMI propõe, como forma de os fazer regressar, o aumento das taxas de juro das obrigações do Tesouro do país para valores na ordem do 30%, 50% e 80%.

‘O resultado era previsível’, disse Stiglitz. Taxas de juro mais altas arrasam o valor das propriedades, esmagam a produção industrial e esvaziam o tesouro nacional.

Neste ponto, segundo Stiglitz, o FMI arrasta a nação em sufoco para o Passo Três: preços baseados no mercado – um termo arrevesado para fazer subir os preços dos alimentos, da água e do gás de cozinha. Tal conduz ao Passo Três e Meio, como era de esperar: aquilo a que Stiglitz chama ‘o êxtase do FMI’.

O êxtase do FMI é fácil de prever. Quando a nação ‘está de joelhos, o FMI chupa a última gota de sangue. Avivam o fogo até que o caldeirão expluda’, – como aconteceu em 1998 na Indonésia, altura em que o FMI eliminou os subsídios para os alimentos aos pobres. A Indonésia explodiu em tumultos.

Há mais exemplos – as revoltas na Bolívia contra o preço da água no ano passado e, já em Fevereiro deste ano, as revoltas no Equador por causa do preço do gás imposto pelo Banco Mundial. Quase adivinhava que esta revolta iria acontecer.

E assim é, de facto. O que Stiglitz não sabia é que Newsnight
teve acesso a vários documentos internos do Banco Mundial. Em um deles, o relatório de progresso da Estratégia de Assistẽncia ao Equador, o Banco Mundial deixou antever repetidamente – com fria precisão – que os planos poderiam desencadear
‘convulsões sociais’.

Sem surpresa. O relatório secreto salienta que o plano de adopção do dólar dos EUA como moeda nacional colocou 51% da população abaixo do limiar da pobreza.

Os levantamentos provocados pelo IMF (manifestações pacíficas dispersas à bala, tanques e gás lacrimejante) causou também novas fugas de capital e bancarrotas do governo. Estes fogos-postos económicos têm igualmente o seu lado vantajoso – para os estrangeiros, que podem então apoderar-se dos restantes bens nacionais a preço de espólio.

Há nisto um padrão. Muitos são os perdedores, mas os vencedores inequívocos parecem ser os bancos ocidentais e o Tesouro dos EUA.

Chegamos agora ao Passo Quatro: comércio livre. Entenda-se comércio livre segundo as regras da Organização Mundial do Comércio e o Banco Mundial, organizações que Stiglitz associa às Guerras do Ópio. ‘Também estas foram feitas em nome dos mercados abertos’, afirmou. Tal como no Século XIX, os europeus e os norte-americanos de hoje estão a rebentar com as protecções aduaneiras na Ásia, América Latina e África, ao mesmo tempo que fecham as nossas fronteiras à entrada dos produtos agrícolas do Terceiro Mundo.

Na Guerra do Ópio, o Ocidente usou o bloqueio militar. Hoje, o Banco Mundial oferece o bloqueio financeiro, tão eficaz como o militar e, por vezes, quase tão mortífero.

Stiglitz levanta duas questões àcerca dos planos do FMI/Banco Mundial. Em primeiro lugar, afirma, como estes planos são delineados em segredo e submetidos a uma ideologia absolutista, nunca abrindo espaço aos dissidentes, ‘minam a democracia’. Em segundo lugar, sob a batuta da ‘assistência estrutural’ à África, as receitas deste continente caíram 23%.

Haverá alguma nação que tenha escapado a este destino? Sim, afirma Stiglitz, o Botswana. O segredo? ‘ Mandou o FMI fazer as malas’.
Stiglitz propõe uma reforma agrária radical: tributação de 50% das rendas apropriadas pelos oligarcas fundiários em todo o Mundo.

Por que razão o Banco Mundial e o FMI não seguem o seu conselho?

‘Se desafiares [os priprietários fundiários], isso representaria uma alteração do poder nas elites. Não é algo de grande prioridade na agenda destes organismos.

O que levou Stiglitz a dedicar-se à sua nova missão foi o fracasso dos bancos e do Tesouro dos EUA em alterar o seu comportamento face às crises, falências e sofrimentos pepretrados pela dança monetarista em quatro passos.

‘É como na Idade Média’, disse o economista, ‘Quando o paciente morria, diziam: Bem, parece que não sangrámos com rapidez suficiente. Restou algum sangue dentro dele.

Talvez seja tempo de remover os vampiros.

Gregory Palast

A Alemanha devia pagar as suas obrigações à Grécia, há muito em dívida

António Ferrão, 2012-02-01

No Verão de 1940 Mussolini, apercebendo-se da presença de soldados alemães nos campos petrolíferos da Roménia (um aliado da Alemanha), considerou isso um sinal perigoso da expansão da influência alemã nos Balcãs e decidiu invadir a Grécia. Em Outubro de 1940, a Grécia foi arrastada para a Segunda Guerra Mundial pela invasão do seu território. Para salvar Mussolini de uma humilhante derrota, Hitler invadiu a Grécia em Abril de 1941.

A Grécia foi saqueada e devastada pelos alemães como nenhum outro país durante a ocupação alemã. O Ministro Alemão da Economia, Walter Funk, assumiu que a Grécia sofreu as atribulações da guerra como nenhum outro país da Europa.

À sua chegada, os alemães começaram a saquear o país. Apropriaram-se de tudo o que necessitavam para a sua estadia na Grécia e despachavam para a Alemanha tudo aquilo a que conseguiam deitar a mão: alimentos, produtos industriais, equipamento industrial, mobiliário, objectos artísticos provenientes de colecções valiosas, pinturas, tesouros arqueológicos, relógios, jóias, e até os puxadores das portas de algumas casas. A produção completa das minas gregas de pirites, minério de ferro, crómio, níquel, manganésio, magnesite, bauxite e ouro foi enviada para a Alemanha. James Schafer, um executivo do petróleo americano que trabalhava na Grécia, resumiu a situação: “Os alemães estão a saquear tanto quanto conseguem, tanto abertamente como forçando os gregos a vender em troca de marcos de papel sem valor, emitidos localmente” (Mazower p.24). Mussolini queixou-se ao seu ministro dos negócios estrangeiros, o conde Ciano: “Os alemães roubaram até os cordões dos sapatos aos gregos ” (Ciano p.387).

O saque completo do país, a hiperinflação gerada pela impressão descontrolada de Marcos de Ocupação pelos comandantes locais alemães e o consequente colapso económico do país provocaram uma fome devastadora. Para além de alimentar os 200000 a 400 000 soldados de ocupação do Eixo estacionadas na Grécia, o país foi forçado a fornecer os que estavam envolvidas nas operações militares no Norte de África. Frutos, vegetais, gado, cigarros, água e até frigoríficos foram enviados do porto grego do Pireu para portos líbios (Iliadakis p. 75). A Cruz Vermelha Internacional e outras fontes estimaram que entre 1941 e 1943 pelo menos 300 000 gregos morreram de fome (Blytas p. 344, Doxiadis p.37, Mazower p.23).

A Alemanha e Itália impuseram à Grécia somas exorbitantes como despesas de ocupação para cobrir não apenas os custos de ocupação mas também para suportar os esforços de guerra alemães no Norte de África. Como percentagem do produto nacional bruto, estas somas foram muito superiores aos custos de ocupação suportados pela França (apenas um quinto dos que foram pagos pela Grécia), Holanda, Bélgica, ou Noruega. Ghigi, o plenipotenciário italiano na Grécia, disse em 1942, “A Grécia está completamente exaurida” (Mazower p. 67). Num acto de abuso de poder, as autoridades de ocupação forçaram o governo de Tsolakoglou a pagar indemnizações aos cidadãos alemães, italianos e albaneses que residiam na Grécia ocupada por prejuízos, presumivelmente ocorridos durante as operações militares. Os cidadãos italianos e albaneses receberam somas equivalentes a 783 080 dólares e 64 626 dólares, respectivamente! (Iliadakis p. 96). A Grécia, que foi destruída pelo Eixo, foi forçada a pagar a cidadãos dos seus inimigos por alegados danos que não foram provados.

Para além das despesas de ocupação, a Alemanha obteve à força um empréstimo da Grécia (empréstimo de ocupação) de 3500 milhões de dólares. O próprio Hitler conferiu carácter legal (inter-governamental) a este empréstimo e deu ordens para começar o processo de pagamento. Depois do fim da guerra, na reunião de Paris em 1946, foram atribuídos à Grécia 7100 milhões de dólares (dos 14000 pedidos) como reparações de guerra.

A Itália pagou à Grécia a sua quota-parte do empréstimo de ocupação, e tanto a Itália como a Bulgária pagaram as reparações de guerra à Grécia. A Alemanha pagou as reparações de guerra à Polónia, em 1956, sob pressão dos EUA e do Reino Unido; pagou também reparações de guerra à Jugoslávia em 1971 (para aplacar Tito e evitar que ele aderisse ao Bloco Soviético). A Grécia exigiu o pagamento da Alemanha em 1945, 1946, 1947, 1964, 1965, 1966, 1974, 1987, e em 1995 (após a reunificação da Alemanha). Antes da unificação da Alemanha, utilizando o acordo de Londres de 27 de Fevereiro de 1953, a Alemanha Ocidental evitou o pagamento das obrigações decorrentes do empréstimo de ocupação e das reparações de guerra, usando o argumento que nenhum “tratado de paz final” tinha sido assinado. Em 1964, o chanceler alemão Erhard prometeu o pagamento do empréstimo após a reunificação da Alemanha, que ocorreu em 1990. A revista alemã Der Spiegel escreveu, em 23 de Julho de 1990, que o acordo “Dois-Mais-Quatro” (assinado entre as duas Alemanhas e as quatro potências mundiais EUA, URSS, Reino Unido e França), ao preparar o caminho para a unificação alemã, fazia desaparecer o pesadelo dos pedidos de reparações que poderiam ser exigidos por todos os que tivessem sido prejudicados pela Alemanha, caso tivesse sido assinado um “tratado de paz”.

Esta afirmação do “Der Spiegel” não tem nenhuma base legal, mas é um reconhecimento dos estratagemas usados pela Alemanha para recusar um acordo com a Grécia (ver também o “The Guardian” de 21 de Junho de 2011). A mesma revista, em 21 de Junho de 2011, cita um historiador económico, Dr. Albrecht Ritschl, que aconselha a Alemanha a tomar uma atitude mais moderada na crise europeia de 2008-2011, uma vez que poderia enfrentar renovadas e justificadas exigências de reparações.

Os indicadores do valor actual das dívidas alemãs à Grécia são os seguintes: com base na taxa média de juros das Obrigações do Tesouro dos EUA desde 1944, que é cerca de 6%, estima-se que o valor actual do empréstimo de ocupação seja de 163,8 mil milhões dólares e o valor da reparação de guerra seja de 332 mil milhões de dólares.

O economista francês e consultor do governo, Jacques Delpla, declarou, em 2 de Julho de 2011, que a Alemanha deve à Grécia 575 mil milhões de euros devido a obrigações decorrentes da Segunda Guerra Mundial (Les Echos, sábado, 2 de julho, 2011).

Os alemães não levaram apenas “os cordões dos sapatos” aos gregos. Durante a Segunda Guerra, a Grécia perdeu 13% da sua população como resultado directo da guerra (Doxiadis p 38, Illiadakis p 137). Em resultado da resistência à invasão do país, quase 20.000 combatentes gregos foram mortos, mais de 100 mil foram feridos ou sofreram queimaduras com o gelo e cerca de 4.000 civis pereceram em ataques aéreos. Mas estes números são irrisórios quando comparados com a perda de vidas humanas durante a ocupação.

De acordo com estimativas moderadas, as mortes decorrentes directamente da guerra ascendem a cerca de 578 mil (Sbarounis p. 384). Estas mortes foram o resultado da fome persistente, causada pelo saque e pelas políticas económicas do Eixo e pelas atrocidades cometidas tanto como represálias, como por resposta à resistência ou como meio para aterrorizar a população grega. Os números acima não incluem as mortes que ocorreram após o fim da guerra devido a doenças como a tuberculose (400.000 casos) e a malária, desnutrição persistente, ferimentos e más condições de vida, todas elas resultado directo das condições de guerra. Assim, na Segunda Guerra Mundial a Grécia perdeu tantas vidas, sobretudo homens desarmados, mulheres e crianças, como os EUA e o Reino Unido juntos.

A maioria das atrocidades cometidas pelos alemães na Grécia teve origem diretamente em duas ordens vindas das mais altas esferas do Terceiro Reich. Uma primeira, decidida pelo próprio Hitler, ordenava que se se suspeitasse que uma residência tinha sido usada pela resistência devia ser incendiada juntamente com os habitantes. A segunda ordem, assinada pelo marechal Wilhelm Keitel, especificava que, por cada alemão morto, um mínimo de 100 reféns seriam executados e por cada alemão ferido, 50 gregos morreriam (Payne 458ff, pp 189-190 e Goldhagen pp 367-369, Blytas pp 418-419).

As primeiras execuções em massa tiveram lugar em Creta, antes de esta ser tomada pelos alemães. Em 1945, sob os auspícios das Nações Unidas, um comité liderado por Nikos Kazantzakis enumerou a destruição de mais de 106 povoações de Creta e o massacre dos seus habitantes (ver sobre o massacre de Kontomari [inglês]). Durante a ocupação, os alemães assassinaram a população de 89 aldeias e vilas gregas (ver sobre o massacre de Distomo [inglês]), enquanto mais de 1.700 povoações foram total ou parcialmente queimadas e muitos dos seus habitantes também foram executados (ver Holocausto Grego [inglês]). Às vítimas gregas do reino de terror alemão devem ser acrescentados 61.000 judeus gregos que, juntamente com 10.000 cristãos, foram deportados para campos de concentração de onde a maioria nunca voltou (Blytas p.429 and p. 446).

Outro aspecto da ocupação grega foi o saque sistemático dos muitos museus gregos, tanto sob as ordens das autoridades de ocupação, como em resultado da iniciativa de oficiais que ocupavam posições de comando. Os nomes do general von List, comandante do 12º Exército, do General Kohler, do comando de Larissa, e do general Ringel, dos comandos de Iarakleio e de Cnossos, são associados ao desaparecimento de importantes tesouros arqueológicos. List foi responsável por aceitar como presente a escultura de uma cabeça esplêndida do século IV a.C., enquanto que Ringel enviou para a Áustria várias caixas de antiguidades da histórica Vila Adriana, assim como caixas contendo pequenos objectos do Museu de Cnossos. “Roubos sancionados oficialmente” foram registados nos museus de Keramikos, Chaeronea, Museu de S. Jorge em Tessalónica, Gortynos, Irakleio, Pireu, Skaramangas, Faistos, Kastelli Kissamou, Larissa, Corinto, Tanagra, Megara, Tebas e muitos outros (Blytas p. 427). O que é especialmente trágico é que, em muitos destes saques, conhecidos arqueólogos alemães forneceram orientação especializada aos perpetradores. E embora muitas destas antiguidades tenham sido devolvidas à Grécia em 1950, a maior parte das peças de museu roubadas nunca foram encontradas.

Em Creta e noutros sítios, os comandantes alemães locais ordenaram a escavação e o saque de muitos sítios arqueológicos. Estas escavações foram levadas a cabo por arqueólogos alemães, enquanto os arqueólogos gregos, curadores e inspectores de museus foram proibidos de interferir, normalmente sob a forma de ameaças que não podiam ignorar.

Solicitamos que o governo alemão honre as suas obrigações há muito atrasadas para com a Grécia, através do pagamento do empréstimo de ocupação que obteve à força e pelo pagamento das reparações de guerra proporcionais aos danos materiais, atrocidades e pilhagens feitas pela máquina de guerra

translated by – traduzido por: Blog Aventar – visite o site português Blog Aventar

Assine a petição